domingo, 28 de novembro de 2021

Formiga Gigante Dinoponera no Piauí

Boa noite César. Hoje envio uma formiga grande e solitária que fotografei em São Raimundo Nonato no Piauí. Obrigado.
Carlos Eduardo de S. Carvalho.
Ela abriu bem o sorriso mostrando os dois dentinhos do clípeo, típico das Dinoponera (Formicidae: Ponerinae: Ponerini), as maiores formigas das Américas, com operárias ultrapassando três centímetros de comprimento. Ela pode estar forrageando sozinha, mas forma pequenas colônias com apenas uma rainha, porém as operárias são férteis.

Besouro Serra-Pau Ctenoscelis em Brasília

Encontrei esse aqui no Altiplano Leste, em Brasília.
O isqueiro é dos grandes.
    (...)
    rsrs ok, é que esse modelo Bic só tem 2 tamanhos mesmo, e esse é o maior. A cor é diferente mas o isqueiro é o mesmo tamanho.
    Adriana Ramos.
    É realmente difícil de entender que espécie de Prioninae é esta de Brasília, nos meus cálculos, este bicho deve ter, se muito, uns seis centímetros, mas eu acho que é mesmo Ctenoscelis coeus (Callipogonini), em outras regiões, este bicho pode passar de 10 cm.

    Besouro Tec-Tec em Minas Gerais

    E aí Cesar, blza? Procurei por um tec-tec parecido com esse e não encontrei. Acredito que esse será mais fácil pra você, por que vc tem "as fontes" e é o cara! kkkk
    Grande abraço!
    Marcelo Brito de Juiz de Fora, Minas Gerais.
    Infelizmente, também não consegui, pesquisando em muitos lugares. Acredito que uma possibilidade é Conoderus (Elateridae: Agrypninae: Oophorini), com mais de sessenta espécies no Brasil.

    Percevejos Mirídeos em São Paulo

    Que bonito esse opilião 👏👏

    Fala César!! Na paz?? Encontrei esses 3 bichinhos, são bem pequenos, se parecem bastante com percevejos kk, mas pelo tamanho acredito que seja extremamente difícil de ser, saberia falar sobre eles? O primeiro tem um 'ombro' mais escuro, o segundo é quase igual, só vi de diferença isso, o terceiro não tem esses desenhos característicos destes 2 primeiros
    Plenn de São Paulo, capital.
    São todos percevejos da família Miridae, ainda não consegui bons palpites de gênero.

    Borboletas Licenídeas do Paraná

    Boa noite amigo!! Poderia identificar estas mariposas-Santo INácio-PR
    Maria F. Agostinho.
    Estas Eumaeini (Lycaenidae: Theclinae) são difíceis pela grande semelhança de espécies mesmo em gêneros diferentes.  Vou deixar alguns palpites que talvez sejam substituídos por palpites melhores: Calycopis caulonia e Ministrymon azia.

    Mariposas do Paraná

    Boa noite amigo!! Poderia identificar estas mariposas-Santo INácio-PR
    Maria F. Agostinho.
    A primeira é Melipotis (Erebidae: Erebinae: Melipotini), talvez fêmea de M. fasciolaris. As outras eu ainda não consegui, mas estão me parecendo familiares.

    Mariposa Samea em São Paulo

    Oi, Cesar.
    Ontem apareceu essa mariposa (acho) aqui. Vou descrever pois tirei poucas fotos: ela tinha uns 2cm de uma ponta da asa até a outra, aproximadamente 1,5cm de comprimento do corpo, ficou deitada de barriga pra cima e enrolando um fiozinho entre as antenas alguns minutos e quando ficou na posição 'normal' deixou uma asa mais aberta que a outra. Ela tem cor de areia com manchinhas em tom mais escuro e as asas parecem brilhar nas fotos, como se algumas partes fossem fosforescentes. Ah, não sei se ajuda, mas ela estava na samambaia e na avenca.
    Eu soltei ela logo porque pelo comportamento pensei que estava machucada, mas ela voou normalmente, então não sei.
    Você conhece essa? Desde já, agradeço. 
    Caterina Helena Marcopoulos.
    Ela está muito "apagada" mas, a princípio, me parece Samea ecclesialis (Crambidae: Spilomelinae), eu acho que é um indivíduo velhinho.

    Ovos de Esperança em São Paulo

    Olá!
    Encontrei essa estrutura, que imagino que sejam ovos, na roupa pendurada no varal. Sou de Taubaté SP. A estrutura é bem dura.
    Denise Varejão.
    Denise, nas imagens 3 e 4, você pôde removê-las perfeitamente ou são duas posturas de ovos? Me parecem ovos de alguma esperança da família Tettigoniidae, não sei qual pode ter botado os ovos assim, por que geralmente elas põem na margem das folhas, mas você pode comparar com este registro.

    Pequena Aranha em São Paulo

    Hoje a noite achei uma aranha descendo a parede do meu quarto, ela está bem pequena e me lembra muito a aranha marrom, moro no estado de São Paulo, Rancharia.
    Obs: acabou de chover aqui na minha cidade, n sei se quer dizer algo.
    Hasck.
    Hasck, está difícil identificar esta aranha, mas dá pra ter toda a certeza de que não se trata de uma aranha-marrom. Pode ser algo como Corinnidae ou Trachelidae, indivíduo macho, nada que represente algum motivo de preocupação.

    sexta-feira, 26 de novembro de 2021

    Gorgulho Zathanius no Rio de Janeiro

    Boa noite César. Hoje envio este gorgulho pequeno e colorido para identificação. Obrigado.
    (...)
    Esqueci de mencionar que foi fotografado em Teresópolis no Rio de Janeiro.
    Carlos Eduardo de S. Carvalho.
    Meu melhor palpite aqui era Centrinus sp., antes de encontrar em Besouros e Seu Mundo de Celso L. Godinho Jr. a ilustração de Heterosternus lyratus que combina quase perfeitamente não fossem longas projeções no protórax:
    Característicos de um macho, como podemos ver em outros gêneros, incluindo Centrinus, em Davis (2009). Percebi um problema com este nome pois, ainda que procurando pelo nome de espécie ele é sempre um curculionídeo, o nome de gênero geralmente se refere a escarabeídeos/melolontídeos, o que é resolvido por Variety Of Life: "Este é um gênero diversificado de gorgulhos encontrados na América do Sul e Central. Marshall (1946) percebeu que o nome do gênero é preocupado e forneceu o nome substituto Heterothorax. Kuschel (1983) sinonimizou este gênero com Solenosternus."

    Isto nos levaria à combinação Solenosternus lyratus, nome que não encontro em lugar algum, mas Harotreus lyratus Zathanius lyratus, por serem Curculionidae: Baridinae, devem se referir à mesma espécie, este último é o que consta no CTFB, na tribo Baridini.

    Assim, concluo que devemos ter uma primeira foto, vivo ou morto, de Zathanius lyratus, fêmea. Este é um grupo extremamente diverso, não surpreendendo que seja confuso nem que haja um grandíssimo número de espécies sem imagens. Identificação graças ao Marquinhos que me presenteou com este maravilhoso livro.