quarta-feira, 25 de maio de 2022

Ciclo de Borboleta Nica em Minas Gerais

Olá Cesar, segue o ciclo dessa linda pequenina Nica flavilla, que foi encontrada ainda jovem lagarta (a de cor amarronzada) na folha de Serjania glabrata no interior de uma mata sombreada. Confirma se é ela? Pra ilustrar seu riquíssimo site! Obrigado.
Marcelo Brito de Juiz de Fora, Minas Gerais.
Correto, única espécie do gênero, duas subespécies no Brasil, Nica flavilla flavilla (Nymphalidae: Biblidinae: Epiphilini: Epiphilina), temos um registro seu de 2019.

Lagarta Anomis em Pernambuco

E aí Cesar, tava dando uma organizada nas plantas e acabei achando algumas lagartas dessa detonando minha pequena árvore de hibisco. Consegue saber de que se trata? Abraços!
Recife-PE
Nino Arruda.
Ela tem afinidade com a forma verde da larva de quinto instar de Anomis impasta (Erebidae: Scoliopteryginae: Anomini) vista em Santos et al. (2012), creio que seja esta ou outra espécie do gênero. No caso, ela foi obtida do algodão, que é uma malvácea como o hibisco.

Besouro-Tartaruga Chelymorpha em São Paulo

Oi Cesar, como vai? Esse besouro muito bonito estava no meu jardim, muito lindo, fiquei curiosa se ele come pulgões. Porque o meu podocarpo e minha primavera estão com uma infestação de pulgões. Ele lembra uma joaninha só que muuuito maior.
Bianca Vicentini de Americana, São Paulo.
Andou sumida, hein Bianca? Este é um besouro-tartaruga Chelymorpha cribraria (Chrysomelidae: Cassidinae: Mesomphaliini). Ele não vai ajudar com pulgões pois é fitófago, mas também não oferece risco a uma conífera.

Esperança Neoconocephalus no Rio de Janeiro

Boa tarde César. Hoje encaminho para ID esta esperança que fotografei em Guapimirim no Rio de Janeiro. Obrigado.
Carlos Eduardo de S. Carvalho.
Na minha opinião, é um macho de Neoconocephalus sp. (Tettigoniidae: Conocephalinae: Copiphorini), são mais de sessenta espécies no Brasil.

Gafanhoto Leptysma na Bahia

Apareceu aqui em casa:
Rafael Salvador.
Este deve ser Leptysma sp. (Acrididae: Leptysminae: Leptysmini).

Ortóptero Ensífero em Alagoas

Oi, que inseto é esse? achei muito diferente, principalmente sua forma de andar( tenho video). caiu no parabrisa do meu carro quando eu passava por baixo de árvores em Maceió - AL.
João Paulo de Araújo Porto.
Não está muito nítido e entendo que está em vista ventral, eu acho que dá pra afirmar que ele é Orthoptera: Ensifera, grupo que inclui grilos e esperanças, acho que é um indivíduo jovem, não estou sentindo confiança em dar palpite de família.

terça-feira, 24 de maio de 2022

Psocópteros Tirsoforíneos em Minas Gerais

Imagino q esses, ou um desses, seja Dictyopsocus pennicornis.. Reparei q além do tamanho diferente (o primeiro é maior), eles possuem diferenças nas cores, por exemplo a cabeça do primeiro é amarela e a do segundo é preta... Será espécies diferentes, ou sexos diferentes?
Pedro S de Raposos, Minas Gerais.
Desconsiderando comparações de detalhes de coloração, que me fazem ver diferenças em casa exemplar que encontro imagens, vou me basear no que conta em Silva-Neto, Mendes & Aldrete (2017), quando diz:
A tribo inclui 15 gêneros, sendo um deles o monotípico Dictyopsocus Enderlein, representado por Dictyopsocus pennicornis (Burmeister), facilmente identificado pela presença de pequenas veias ramificadas na região central da asa anterior. Dictyopsocus foi criado por Enderlein (1901) para incluir a espécie então conhecida como Thyrsophorus pennicornis Burmeister (Burmeister 1839).

 Por esta informação, eu acredito que D. pennicornis (Psocodea: Psocomorpha: Psocetae: Thyrsophorinae) é o indivíduo mais escuro, o primeiro deve ser Poecilopsocus sp.

Mariposa-Vespa Cosmosoma no Rio Grande do Sul

Boa tarde, encontrei este camarada no dia 7 de abril na ilha de terrapleno, na cidade de Rio grande RS e me deixou curioso por suas cores. Que inseto seria este? Tentei uma pesquisada rápida mas n achei nada.
Danilo Almeida De Araujo.
Esta é uma mariposa do gênero Cosmosoma (Erebidae: Arctiinae: Arctiini: Euchromiina), e tudo indica C. auge.

Besouro Omorgus no Ceará

Boa noite César. Hoje encaminho para ID este besouro que fotografei em Potengi no Ceará. Obrigado.
Carlos Eduardo de S. Carvalho.
Este é um besouro da família Trogidae, todos os nossos são Omorginae, a espécie deve ser a mais comum, Omorgus suberosus.

Acidente com Viúva Marrom em Alagoas

Parabéns pelo site e pela iniciativa de gerar conteúdo brasileiro sobre este segmento de nossa fauna, apesar de não ser fã dos insetos (muito pelo contrário).

Quero relatar um acidente com aranha que eu acredito que seja a viúva-marrom, mas me corrija se eu estiver errado. Tudo aconteceu às 18h do dia 08/05/22, aqui em Palmeira dos Índios, interior de Alagoas. Eu estava na varanda de casa conversando com um amigo e apertando nas folhas de uma planta chamada suculenta, distraído. Senti uma forte furada de agulha no braço, como se fosse picada de abelha. Olhei e não encontrei o inseto, mas formou-se o inchaço e vermelhidão característicos de picada de formiga, aquele pequeno relevo. Ignorei por acreditar ser um inseto qualquer. Senti novamente a ferroada, dessa vez no meio das costas. Retirei a camisa e encontrei esta aranha dentro da camisa, com um pequeno fio de teia no seu abdômen. Media aproximadamente o tamanho de uma moeda de 25 centavos, um diâmetro de 2cm mais ou menos. derrubei-a e vi que não era uma aranha comum, mesmo o meu amigo insistindo em dizer que era uma aranha de jardim e que eu não devia me preocupar. Como não sou besta, tirei uma foto da mesma e joguei no google lens, o reconhecimento de imagens do google. Apareceu imediamente "Aranha viúva-marrom, venenosa". Não li os sintomas, corri imediatamente para o hospital, chegando uns 20min após a picada. Até este momento meus sintomas eram frio e uma aceleração dos batimentos cardíacos (podendo ser de nervosismo). Porém, quando entrei para ser avaliado pelo médico, comecei a ter espasmos musculares nas pernas (o que eu achei que seriam tremores de nervosismo). O médico observou que eu estava tendo espasmos nas artérias do pescoço e me mandou para a area vermelha para tomar o soro antiaracnídico. Quando fui colocado na maca, os espasmos começaram a piorar, indo para todo o corpo (pernas, barriga, braços) parecia uma convulsão. Senti muito muito frio, mas a minha temperatura estava normal. Fiquei com a Frequência cardíaca alta, sudorese, formigamento nas extremidades, dormência nos braços e pernas e sonolência. Não sentia nenhuma dor, nem mesmo nos locais das picadas (que estavam do mesmo jeito: um pouco inchados e vermelhos, como picada de formiga). Confesso que achei que iria morrer, pois o soro não chegava e quando chegou deu problema no aparelho que faz a dosagem e mistura do soro (bomba de infusão), levando aos médicos a fazerem manualmente os cálculos e contagens com cronômetro para ajustar o gotejamento do soro. Eu estava sendo assistido por 3 médicos, técnicos e enfermeiros, pois não são comuns por aqui acidentes com aranhas. Após uns 10 a 20min de ser instalado o soro e ter tomado outros remédios, os sintomas foram aliviando, mas ainda fiquei no hospital por mais 4h, de observação e tomando mais soro até urinar (para constatar funcionamento dos rins eu acho) e esperando o resultado do exame de sangue. Cheguei em casa 23h. Nos dias que se seguiram recebi muitas perguntas se eu tinha virado o homem aranha (infelizmente não). Tive que fazer mais exames de sangue para verificar se estava tudo bem e graças a Deus está, mas não sei se terei alguma sequela no futuro.
João Paulo de Araújo Porto.
João, tem diversas coisas que eu gostaria de comentar aqui, em ordem:

Muito obrigado. Eu tenho esperança de que ainda este ano melhorias sejam feitas nesta plataforma, ajustando o volume de propagandas que eu sei que atrapalha e tornando a pesquisa aqui muito mais fácil, algo totalmente renovado. Não dá pra prometer por que não depende só de mim, mas é algo que tenho vontade de fazer há muito tempo e agora parece que será possível. Minha esperança também é que você possa ter uma melhor impressão sobre os insetos que, gostemos ou não, eles são responsáveis por sustentar a vida na terra como a conhecemos. No caso temos um aracnídeo, não um inseto, mas igualmente um organismo muito importante em seu meio.

Depois, muito bom que você não tenha confiado na intuição do amigo e mais ainda que o Google Lens tenha reconhecido a aranha, a espécie está correta, esta é uma fêmea de Latrodectus geometricus (Theridiidae) e te direcionado a procurar ajuda médica, não recomendo também que confie no Google Lens, parece ter melhorado bastante desde que comecei a ver gente tentando identificar através dele, que sempre informava que todo inseto era um barbeiro.

Agora, o principal, me parece que houve um erro aí. Grande ênfase no me parece, não quero afirmar que houve, mas é o que entendo, por que aqui uma bula do soro antiaracnídico do Butantan, ele é indicado para acidentes com aranha-marrom, armadeira e escorpião-amarelo, marrom e relacionados, lá no item 3 consta "- Em casos de acidentes provocados por outros animais peçonhentos, o soro antiaracnídico não é indicado." O que me parece é que se somou o efeito da peçonha do animal aos efeitos adversos do soro... Mas você levou consigo o animal? Pode ser que a recomendação seja esta mesmo quando não se sabe exatamente qual foi a aranha e que eu esteja falando besteira, mas a menos que o soro tenha sido o antilatrodéctico produzido pela Vital Brasil, ele está errado.

Esta é uma espécie de viúva que geralmente é descrita como não sendo de muita periculosidade, mas já temos aqui diversos relatos de acidentes envolvendo adultos e todos eles não foram tão leves, exceto aquele provocado por um macho.