domingo, 19 de fevereiro de 2017

Larva de Besouro Elateróideo em Goiás

Ola César eu achei esse bicho aqui na garagem da minha casa em Goiania - Goias, eu moro em uma area onde tem muita mata fechada por perto, e esse bicho é mole como uma lagarta, porem a parte de cima dele é tipo uma casca dura ele e meio dificil de encontrar, mas nas vezes que achei ele sempre foi antes ou depois de uma chuva, e sempre saindo de algun lugar com mato
Lucas Marinho de Goiânia, Goiás.
Esta é uma larva de besouro elateróideo, pode ser das famílias Lycidae ou Lampyridae, os vaga-lumes, que são ambos predadores. Estava morta?

Besouros Domésticos em São Paulo

Olá César! Bom dia, tudo bem?
Encontrei esses 2 insetos na minha residência. O primeiro (as 2 primeiras fotos) dentro do meu banheiro em cima de uma toalha que estava em cima da pia. O segundo (as 2 ultimas fotos) no chão da sacada do meu apartamento (13 andar) , esse consegui tirar foto de barriga pra baixo e de barriga pra cima. Moro em São Paulo. Algum deles eu preciso me preocupar com picada? Infestação? Que insetos são esses? Muito obrigada e agradeço sua orientação.
Juliana Maia de São Paulo.
Juliana, eu mantive as fotos na ordem em que me apareceram, embora me pareça que o primeiro corresponde ao último e é só ele que consigo identificar; o outro, em vista ventral e enconlhido só é possível ter certeza de que se trata de um besouro.

O primeiro, é Tenebrio molitor (Tenebrionidae: Tenebrioninae: Tenebrionini) ou próximo disso, suas larvas são muito usadas em alimentação humana e animal. Este bicho pode entrar em casa ocasionalmente atraído por luz, suas larvas podem se desenvolver em alimentos estocados como farinhas, macarrão, grãos e rações onde você pode procurá-los, ou podem se desenvolver em ninhos de pássaros, que podem existir em um telhado.

O outro, que não tenho certeza alguma de quem é, poderia ser um besouro-de-carpete da família Dermestidae, então peço que veja estas postagens: 1, 2.

Você pode se preocupar com infestações, mas não com picadas.

Traça de Livros em São Paulo

Ontem encontrei esse inseto no chão da minha sala, como mencionei, moro em apartamento em São Paulo. Meu piso é de madeira e ele estava andando no chão. Sabe me ajudar a identificar este inseto? É perigoso? Muito obrigado. Abs
Rafael Pisani de São Paulo, capital.
Ola,boa noite! que bicho é esse ?
Fernando Guimarães.
Estas são uma traças-de-livros da ordem Zygentoma, antiga Thysanura e elas podem danificar papéis, tecidos e infestar alimentos ricos em amido, aqui há algumas dicas de controle. A do Rafael aparenta ter feito uma ecdise recente, pois elas costumam ser escuras como a do Fernando, com um brilho prateado.

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Vespas Parasitoides de Lepidópteros em Minas Gerais

Oi Cesar, tudo joia? Quem são estas vespas parasitóides que nasceram de crisálidas diferentes? 
Obrigada,
Alice Mattos de Juiz de Fora, Minas Gerais.
Assim como a informação da planta hospedeira pode ser muito útil pra identificação dos lepidópteros, as informação do lepidóptero hospedeiro pode ser muito útil para identificar a vespa parasitoide.

Esta primeira é bem semelhante a este exemplar identificado como macho de Conura dimidiata (Chalcididae: Chalcidinae), com ênfase no "este exemplar" e no "macho".

A segunda, aparentemente, é Braconidae, mas não encontrei semelhante.

Macho de Mamangava de Toco no Rio Grande do Sul

Olá César! Obrigada pela identificação, parece mesmo com essas.
Vou mandar mais um pedido, dessa vez parece ser uma mamangava, mas nunca vi dessa cor, e aqui tem vááárias.
Abraço
Luiza de Cambará do Sul, Rio Grande do Sul.
Esta é uma mamangava-de-toco Xylocopa sp. (Apidae: Apinae: Xylocopini). Enquanto as fêmeas são geralmente pretas, machos costumam ser assim, ruivos, e são seguros pra manusear, pois não têm ferrão.

Ninfas de Percevejo no Rio Grande do Sul

Oi Cesar. Encontrei este grupinho no portão de casa hoje a tarde, em Rio Grande/RS. Quero saber se é venenosa ou não pois tenho gato e cachorro que podem entrar em contato com elas. São aranhas? 
Um abraço.
William Pickersgill de Rio Grande, Rio Grande do Sul.
Estas são ninfas de percevejo, provavelmente da família Coreidae, não representam perigo algum.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Mariposa Phryxus no Piauí

Borboletas ou mariposas?
Mariahelena Ferreira da Costa de Teresina, Piauí.
Esta é uma mariposa-falcão da família Sphingidae e é uma espécie nova aqui, Phryxus caicus (Macroglossinae: Dilophonotini).

Borboletas do Piauí

Borboletas ou mariposas?
Mariahelena Ferreira da Costa de Teresina, Piauí.
Aqui eu separei as três borboletas e elas são uma de cada família.

A primeira é Pieridae e deve ser vista dorsal da mesma espécie do começo do mês. Suponho que seja Pyristia (Coliadinae), mas Pieridae é muito difícil, algumas Eurema são bem semelhantes, não sei como diferenciar com segurança.

A segunda deve ser Battus polydamas (Papilionidae: Papilioninae).

A última, borboleta-do-coqueiro Brassolis sophorae (Nymphalidae: Satyrinae: Brassolini).

Formiga-Fantasma no Rio de Janeiro

Boa noite, César!

Saberia dizer qual tipo de formiga é essa da foto? Encontrei umas centenas desta em meu veículo. Moro em Niterói-RJ. Abraço, Fábio.
Fábio Eymard Fontenele de Niterói, Rio de Janeiro.
Me parece ser uma formiga-fantasma Tapinoma melanocephalum (Formicidae: Dolichoderinae: Tapinomini). Estas formiguinhas são difíceis de serem controlá-las, mas me é estranho nidificarem em um automóvel onde, virtualmente, não há comida para elas.

Barata do Suriname

Olá, Cesar
Boa noite!

Encontrei vários destes insetos no quintal da casa da minha mãe. Pra ser mais exata no jardim debaixo de folhas, vasos e escondido na terra.
O porque apareceram e como me livro ? Corro algum risco de saúde ?
Obrigadaaa!!!
Amanda de Andrade.
Amanda, é muito importante saber de onde é, mas apesar de muito preta, acredito que é uma barata-do-Suriname Pycnsoscelus surinamensis, chamadas também de baratas-de-jardim e que t~em ampla distribuição no mundo, especialmente nos trópicos. Elas não representam risco algum para nós, mas estão associadas a verminoses em aves, podem danificar raízes de plantas e eventualmente entram em residências, mas não parece que podem se manter nelas. Esta é uma fêmea e elas não necessitam de machos para se reproduzir.

Por não ser um bicho nocivo eu jamais recomendaria extermínio. Reduzir a umidade e acúmulo de matéria orgânica no jardim, coletá-las vivas e mover para a natureza é o que eu recomendo.