terça-feira, 31 de março de 2015

Vespa Betilídea em Curitiba: Sclerodermus domesticus?

Bom dia,

há algum tempo que anda aparecendo estes insetos no nosso sofá, só os percebemos a noite quando somos picados, pois o mesmo tem em média 2mm de comprimento e amarronzado coincidindo com a cor do sofá. 
Já apareceu alguns mas não é todo dia, parece uma formiga, pois tem um cabinho parecido com o daquelas formigas saúvas eu acho, gostaria de saber de que inseto se trata pois não aguento mais ser picada por eles e não acho em lugar nenhum na internet algo parecido, se você puder me ajudar ficaria muito grata ! 

Atenciosamente
Dâmaris de Curitiba, Paraná.
Dâmaris, eu não sei o que seria preciso fazer pra controlar, mas talvez o sofá esteja comprometido. Após longa discussão em outra postagem, cheguei a conclusão que deve se tratar de uma vespa da família Bethylidae, mas a única associação que teriam com madeira seria o fato de ser parasitoide de besouros nela se desenvolve. Por não parecer haver esta associação, eu ainda conjecturo a possibilidade de se tratar de outra família, no entanto, acabo de encontrar casos de infestação em residências e de dermatite causada pelas picadas de Sclerodermus domesticus (=Scleroderma domestica, Scleroderma domesticum; Bethylidae: Epyrinae: Sclerodermini), porém na Europa, não encontro registro destes insetos no Brasil, não sendo porém difícil de um bicho destes chegar aqui através de produtos infestados.

Interessante observar que tanto a Mônica, que fez o pedido, como o Luciano que entrou nos comentários e disse haver uma infestação, são de Curitiba

Caranguejeira Lasiodora em Pernambuco

Olá Cesar, estou com uma dificuldade em identificar essa espécie de aranha!! Ela foi encontrada na zona da mata pernambucana, dentre as 5 fotos enviadas temos 4 individuos diferentes!! São muito comuns de serem encontradas nessa região, geralmente a noite, as que foram encontradas durante o dia foi escondias em suas tocas. Estou em dúvida de qual espécie ela seja, já sei o genero, que é Lasiodora, só não sei se é L. klugi ou L. parahybana.
Igor Gouveia de Ferreiros, Pernambuco.
Igor, se você chegou em Lasiodora (Theraphosidae), você já foi mais longe do que eu iria. Se é Lasiodora, eu diria que é L. parahybana, a caranguejeira rosa-salmão brasileira.

Provável Aranha Armadeira Picou Buldogue em Brasília

Segue a foto da aranha que picou meu Bulldog. A região abaixo da mandíbula inferior dele ficou muito inchada, vermelha e quente.

Moro em casa com grande área de gramado na frente e nos fundos. Há muitas lagartixas e lagartos. Várias dessa aranhas também. Gostaria de saber qual é essa espécie.
Haroldo de Brasília, Distrito Federal.
Haroldo, a aranha parece ter sido fotografada bem de longe, não dá pra dizer muita coisa. Pra mim, ela parece uma armadeira (Phoneutria spp. Ctenidae). Se for, creio que não seja muito difícil que esta aranha leve a óbito um animal do tamanho de um buldogue. 

Centopeia em Santa Catarina

achei em Joinville - SC, porém estava numa caixa de papelão, então não sei se é endêmico da região ou veio na caixa. Tem 21 segmentos com um par de patas em cada.
Marcelo Barreto de Joinville, Santa Catarina.
Marcelo, esta é uma centopeia, lacraia ou piolho-de-cobra (Myriapoda: Chilopoda) da ordem Scolopendromorpha, se tiver olhos simples, que deve ter, a família é Scolopendridae. Elas picam, dói e têm veneno, mas no Brasil, acidentes com estes bichos não são considerados graves, é bom sempre tomar cuidado com crianças.

Lagartas de São Paulo

Ontem encontrei na casa da minha vó um casulo gigante, de mais ou menos 10 cm feito de galhos de pinheiro, com uma lagartinha saindo de dentro pra comer folhas, e de alguma maneira ela conseguia fazer com que a boca do casulo fechasse quando ela quisesse. 

Mais tarde encontrei uma lagarta do mesmo tipo no gramado, listrada e com um ferrao preto na bunda. Gostaria de saber que tipo de borboleta / mariposa ela irá se tornar, e se ela é venenosa. Em caso de picada, como minha vó deve proceder?
Júlia de Campinas, São Paulo.
Júlia, a lagarta dentro do casulo é um bicho-do-cesto da família Psychidae, os machos se tornam mariposas adultas normais, as fêmeas de muitas espécies não criam asas e podem permanecer dentro da estrutura. A lagarta na segunda imagem não tem relação alguma com a primeira. O apêndice no fim do abdome não é um ferrão e não representa perigo algum, eles caracterizam as lagartas da família Sphingidae, no caso, uma Isognathus sp. (Macroglossinae: Dilophonotini), você pode ver o ciclo completo neste artigo.

Lagartas não picam, estas não queimam, não há cuidado algum pra se tomar com elas.

Lagartas Datana em Minas Gerais

Cesar, tudo bem? 

Encontrei esta lagarta em uma frutífera: Caferana (Bunchosia armeniaca), Dom Cavati MG. Eram muitas e devoravam com rapidez.
Dael Júnior de Governador Valadares, Minas Gerais.
Dael, o nome das imagens dizia Datana contracta. Não creio que seja esta a espécie, mas creio que podemos acreditar no gênero Datana (Notodontidae: Phalerinae), conforme os registro de Wolf Walz.

Opilião em Santa Catarina

Boa tarde Cesar Crash. 

Este inseto, em primeiro momento achei que fosse uma aranha, mas vendo as fotos com zoom não tenho tanta certeza. 

Ele se encontrava em 1 buraco de tijolo que era utilizado para conter a Areia Fina de reboco, tanto a areia quanto o tijolo estavam debaixo de uma lona preta. 

Foto tirada em 22-02-2015 em São Bento do Sul - SC Areá com muita mata nativa em volta. 

Gostaria de saber o nome deste inseto, e tenho um breve vídeo dele se mexendo se interessar.
Rodrigo Schloegel de São Bento do Sul, Santa Catarina.
Rodrigo, este bicho não é nem uma aranha e nem um inseto, mas um aracnídeo da ordem Opiliones. Difícil determinar gêneros neste grupo, mas ele é semelhante a Pachyloidellus (Laniatores: Gonyleptidae). Eles são inofensivos, mas se incomodados, irão liberar uma secreção malcheirosa. Este indivíduo é macho.

Eles são conhecidos por nomes como opilião, aranha-bode, aranha-fede, fede-fede, entre outros.

Abelha Centris no Espírito Santo

Olá, esta abelha veio a minha casa, em Cariacica-ES, semana passada. Tem aproximadamente 1cm de comprimento.
Lucas Serrano de Cariacica, Espírito Santo.
Lucas, abelhas são em geral bem difíceis de se determinar, por que envolve ver com detalhes as mandíbulas e o escutelo por exemplo, não visíveis em uma imagem assim, mas eu acredito que esta seja uma abelha do gênero Centris (Apidae: Apinae: Centridini). Muitas espécies de Centris ultrapassam os dois centímetros, mas vejo que Centris é dividida em muitos subgêneros e Trachina, Heterocentris, Xanthemisia e Paracentris possuem tamanho inferior. Dentre estes, encontrei estas imagens de uma Centris (Heterocentris) sp. que me parecem combinar bem com a sua abelha.

segunda-feira, 30 de março de 2015

Aranha Tecedeira Araneus no Rio Grande do Sul

César, esse foi postado em um grupo do FB que participo. É do RS, Nova Hamburgo, aparentemente paralisada por uma vespa parasitóide. Eu não consegui ir além de "tecedeira"... Achei muito bonita, as fotos estão boas, fica pro seu banco de dados tb. Quem bateu as fotos foi Artur Dietrich, pode creditá-los no nome dele.

Valeu! Abs!!
Walther Ishikawa, Planeta Invertebrados.
Me parece certo que se trata de uma Araneus sp. (Araneidae). Na minha lista há dezesseis espécies  de Araneus catalogadas para o Rio Grande do Sul.

Percevejo Predador Estenopodaíneo em Brasília

Encontrei esse besouro e estou morrendo de medo de ser um barbeiro, por favor gostaria da ajuda de vocês pra identificar, já não aguento mais essa agonia. obs: na minha casa tem palmeiras, local onde eles geralmente moram
Júlia Carvalho de Brasília, Distrito Federal. 
Júlia, este é um percevejo Reduviidae: Stenopodainae (=Stenopodinae), predador benéfico, generalista, que poderá capturar até mesmo um barbeiro. Se vier a picar, porém, sua picada será dolorosa e é bom lavar o local com água e sabão se acontecer.