Lepidoptera

     A ordem Lepidoptera compreende todos os insetos conhecidos popularmente por borboletas e mariposas (chamadas às vezes, traças) em forma adulta, e lagartas, taturanas e mandarovás quando imaturos).
     São insetos de metamorfose completa, ou seja, passam por quatro estágios distintos durante a vida: ovo, larva, pupa e adulto. Adultos possuem quatro asas escamosas (raramente ausentes), sendo que as superiores são, em geral, maiores que as inferiores. O aparelho bucal do adulto é do tipo sugador, se alimentando de néctar. Por serem visitantes florais, são importantes polinizadoras. Algumas famílias não se alimentam quando adultas. Larvas possuem aparelho bucal do tipo mastigador, alimentando-se em geral de folhas e muitas espécies têm grande potencial de se tornar pragas para a agricultura. Raramente foram observadas se alimentando de outras larvas.
     É comum que a ordem Lepidoptera seja dividida em dois grupos, borboletas e mariposas, mas esta não é, atualmente, uma divisão usada em taxonomia, pois hoje sabe-se que mariposas são um grupo parafilético: algumas mariposas são mais aparentadas das borboletas do que de outras mariposas. Mas para uma identificação visual, considerei interessante manter a divisão tradicional: borboletas pousam com as asas eretas atrás do corpo, enquanto as mariposas as mantém abaixadas; borboletas têm a ponta da antena alargada, enquanto mariposas as têm lisas ou com aspecto de plumas; borboletas são diúrnas enquanto mariposas são noturnas. Mas é sempre importante lembrar que existem excessões para todas estas diferenças gerais.




Família Nymphalidae - A família Nymphalidae pode ser facilmente identificada por terem o primeiro par de pernas atrofiados, dando a impressão de possuírem apenas dois pares. Esta é a maior família de borboletas, com cerca de 6.000 espécies descritas. São borboletas que apresentam uma grande variedade de cores e desenhos nas asas, sendo que a subfamília Satyrinae costuma predominar tons de marrom e pastel com pequenos olhos desenhados nas asas. Na subfamília Heliconiinae, encontramos a tribo Heliconiini, que apresenta indivíduos de asas muito mais longas do que largas (fig. 8) e nela se encontra a tribo Ithomiini, onde muitos indivíduos possuem as asas predominantemente transparentes.
     Na subfamília Charaxinae, encontramos a tribo Anaeini, que possuem as asas com aparência de folhas secas (fig. 4). A figura 5 representa uma borboleta da subfamília Libytheinae, as borboletas-de-tromba, com seus alongados pedipalpos. A larva da esquerda representa uma da subfamília Heliconiinae e a da direita a larva da famosa borboleta Monarca Danaus plexippus (Danainae, Danaini).

Apaturinae
Biblidinae
Charaxinae
Charaxinae: Anaeini
Cyrestinae
Danainae
Danainae: Ithomiini
Heliconiinae
Libytheinae
Limenitidinae
Nymphalinae
Satyrinae


Família Papilionidae - A família Papilionidae é constituída por borboletas de tamanho grande, muitas espécies possuem alongamentos nas asas. Suas larvas, ao se sentirem ameaçadas, exibem um órgão bifurcado chamado osmeterium, que produzem um cheiro repugnante. Muitas espécies são mímicas de serpentes, exibindo grandes olhos desenhados no tórax. A principal subfamília é a Papilioninae e o principal gênero é o gênero Papilio (Papilioninae, Papilionini), onde predominam borboletas de cores amarelo e preto como a borboleta caixão-de-defunto Papilio thoas. Outra borboleta muito conhecida é a rosa-de-luto Papilio anchisiades, predominantemente preta com manchas rosas nas asas inferiores, de larvas gregárias que imitam fezes de pássaros e consideradas pragas dos Citrus. A fig. 2 representa uma pequena borboleta da subfamília Parnassinae, cujo alguns indivíduos possuem asas transparentes.




Papilioninae

Família Hesperiidae - A família Hesperiidae constitui um grupo separado de borboletas, a unica família da superfamília Hesperioidea; todas as demais famílias pertencem à superfamília Papilionoidea. Nesta família, predominam as cores marrom, pastel e alaranjado.









Eudaminae
Hesperiinae
Pyrginae
Eudaminae: Pyrrhopygini

Lycaenidae
Pieridae
Riodinidae





Superfamília Bombycoidea


Família Sphingidae - A família Sphingidae é constituída por mariposas de tamanho médio a grande, de forma aerodinâmica e vôo rápido. As asas costumam ser estreitas e pontudas, o corpo robusto e abdome normalmente terminando também com ponta. Suas larvas não possuem cerdas (às vezes poucos e finos fios), porém com um espinho no final do abdome (figs 5 e 6) e muitas espécies causam sérios danos para a agricultura. A fig. 1 representa uma mariposa da subfamilia Smerinthinae, tribo Ambulycini. As figs. 2, 3 e 4 representam a subfamília Macroglossinae, a 2 e 4 tribo Dilophonotini, sendo que a 4, se trata de uma mariposa beija-flor, espécies diúrnas onde muitas têm asas transparentes. A fig. 3 pertence à tribo Macroglossini.

Macroglossinae:
Dilophonotini
Macroglossinae:
Macroglossini
Smerinthinae
Sphinginae

Família Saturniidae - A família Saturniidae é composta por mariposas em geral de tamanho grande, como o corpo coberto por pelos. Muitas possuem cores vivas e desenhos de olhos nas asas inferiores.
Algumas larvas possuem cerdas em formas de pinheirinho, como as larvas de Automeris (olhos-de-pavão) e as larvas de Lonomia obliqua a taturana-assassina, considerada um dos insetos mais perigosos do mundo. A mariposa Atlas, que vive na Ásia, é considerada a maior mariposa do mundo em termos de área das asas.

Ceratocampinae
Hemileucinae
Saturniinae
Arsenurinae

Outros Bombicóideos
Superfamília Noctuoidea

Família Erebidae - A família Erebidae é constituída por mariposas de tamanho pequeno a grande, de cores e formas muito variadas. Muitas espécies eram antigamente consideradas parte de Noctuidae, e hoje ainda não há total consenso na classificação. a Thysania agrippina (fig. 1) é a maior mariposa do mundo em termos de envergadura de asas.




Arctiinae
Calpinae
Erebinae
Eublemminae
Eulepidotinae
Hypeninae
Lymantriinae

Outros Noctuóideos
Superfamília Geometroidea