sexta-feira, 14 de junho de 2019

Besouro Pelidnota no Rio Grande do Sul

Boa tarde, César. Sou de Pelotas-RS e encontrei esse besouro no interior da cidade, em um sítio. Não é a primeira vez que vejo um desses no local, tanto que me disseram que é uma praga pois tem larvas muito grandes que destroem raízes de árvores. Essa info confere? Eu tentei identificá-lo sozinha, cheguei a Chrysina sp. porém estou em dúvida quanto a espécie. Se puder ajudar, agradeço.
Carolina Rolim.
Carol, não me parece que este gênero ocorre no Brasil, se vier a ocorrer, pela distribuição, deve ser mais esperado no extremo Norte. Meu palpite neste, há muitas espécies no gênero, é Pelidnota semiaurata citripennis (Scarabaeidae: Rutelinae: Rutelini). Segundo Moore et al. (2017):
Estádios imaturos são conhecidos por apenas alguns dos gêneros de pelidnotinos, incluindo (...), Chrysina (...), e Pelidnota. Com base em estudos de história de vida, os ciclos de vida têm um a dois anos de duração (...). As larvas são saproxilófagas (...) e se alimentam de madeira seca e podre (...), troncos ocos e troncos de árvores (...), matéria orgânica no solo e raízes podres (...).
Não vejo literatura falando especificamente sobre esta espécie, mas baseado em outros do gênero, a importância agrícola parece ser sempre associada aos adultos que consomem folhas e flores, larvas costumam se alimentar de matéria morta (1, 2), sendo assim muito importantes na natureza como recicladores.

ps.: Fui encaminhar a postagem e recebi a mensagem "The post you are trying to reply to has been removed."

Nenhum comentário:

Postar um comentário