quinta-feira, 29 de março de 2018

Besouro Tenebrionídeo Cymatothes em São Paulo

Bom dia,

Moro na zona sul de São Paulo, em uma casa com um jardim e próximo à reserva do parque estadual das fontes do ipiranga. Aparece no meu quintal uma quantidade realmente grande de insetos e borboletas.

Esse besouro que vou postar, aparece em uma quantidade considerável, mas não consegui identificar em nenhuma foto da web. A única foto que idêntica que encontrei, de um fotógrafo de natureza inclusive, também não tem identificação.

Link para foto encontrada na web (bem melhor que a minha, para facilitar a identificação, rsrs).

Desde já agradeço a ajuda e parabéns pelo site e pelo trabalho!
Jose Felipe Lemos.
Jose, obrigado, e parabéns também por encontrar outro registro dele, pois me parece raro. Isto é o que consegui pesquisar sobre ele:

A única outra imagem que encontrei e que me parece combinar com ele é um exemplar da Esalq identificado como Pyanisia sp. (Tenebrionidae: Stenochinae). A partir daí, encontrei outras fontes informando que este não é um nome válido, as espécies identificadas como Pyanisia devem ser tratadas como Cymatothes (1, 2). E, este gênero, algumas fontes dão a entender que só ocorrem nas Américas do Norte e Central, a espécie registrada em BugGuide é totalmente negra e são tratados nas duas últimas fontes como Tenebrioninae: Amarygmini.

Não encontrei, além dos exemplares da Esalq, provavelmente brasileiros, nenhuma imagem de Cymatothes spp. no Brasil, mas encontrei um sul-americano, uma espécie da Guiana Francesa, mostrando que podem mesmo ser laranja e preto mais ao sul. Coleoptera Neotropical tem registro de Pyanisia undata na Argentina, que por sua vez parece ter por nome válido, Cymatothes nebulosa, aquele mesma da Guiana, de modo que esta espécie deve estar distribuída pelo meio do caminho. O seu não combina com aquela imagem, mas se Fabricius descreveu duas vezes a mesma espécie com nomes diferentes em 1781 e 1792, é praticamente certo que ele varia em aparência, tanto que Coleoptera Neotropical também conta os dois na Ilha de São Domingos. Um outro exemplar da Esalq combina com aquele, pode ser variação desta espécie, mas me chama a atenção um terceiro, que está identificado como P. vestita, que Maurice Pic (1915), na descrição de "variedade nova P. v. multimaculata" na pág. 23 (que, se alguém que souber francês talvez possa me corrigir), diz que os élitros são cheios de manchas negras, o pronoto, além das três manchas usuais, tem uma adicional próxima ao escutelo, exatamente o que vejo na sua imagem. Ele é citado em como em Münchner Entomologischen Gesellschaft (2014) como:
Cymatothes vestitus ssp. (?) multimaculatus (PIC, 1915)Pyanisia vestita multimaculata var. nov. PIC, 1915: 23: GEBIEN 1944, 514 - BLACKWELDER 1945: 544. Distribution: Brasil (Blackwelder 1945). Holotype in ? MNHN.
Sem imagens, este é meu melhor palpite. Se aparecem tantos, por favor, envie mais fotos, ainda mais se variarem em padrões. Acrescento que me parece mimetizar erotilídeos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário